Santa Filomena em Portugal

Recado do Diretor Espiritual

banner homepage_icon
do Centro de Confraternidade

XVI Domingo do Tempo Comum – Ano C


Leitura do Livro do Génesis (Gen 18,1-10a)

Ideia principal:Deus sempre recompensa quem, como Abraão, está atento ao irmão que se atravessa no seu caminho, com quem partilha tudo o que tem.
– A Leitura do Génesis e o Evangelho deste Domingo – Jesus em Betânia, em casa de Lázaro, Marta e Maria (Lc 10,38-42) – focam o tema da hospitalidade que, quando pronta e gratuita, é bem um símbolo de todas as formas de serviço aos irmãos. Prova-o o acolhimento de Abraão aos três viajantes. O Evangelho sublinha a importância da escuta da Palavra de Deus para que a hospitalidade não seja desvirtuada.
– Na origem do texto que hoje nos é proposto como primeira leitura está, uma antiga “lenda cultual”… Narrava como um cananeu anónimo tinha acolhido, junto ao carvalho sagrado de Mambré, três figuras divinas, que o recompensaram com um filho. No séc. X a.C. (reinado de Salomão), os autores jahwistas recuperaram essa velha lenda, colocando Abraão como o herói, para apresentar a sua catequese.
– Os hóspedes estão refastelados, mas Abraão permanece de pé, em atitude de disponibilidade e serviço. O abundante banquete preparado aos viajantes, dada a quantidade e a qualidade, aponta já para o banquete do Reino de Deus! Mas também aquele filho prometido a Sara, esposa de Abraão, aponta para o Filho, no qual se cumprirá o Antigo Testamento, que nós, em nossas vidas, devemos acolher e escutar.


Rezar a Palavra e contemplar o Mistério


Ó Deus, Pai Santo, que hoje me visitas, como visitaste Abraão junto ao carvalho de Mambré. Como ele, eu Te saiba acolher – Pai, Filho, e Espírito Santo! – no meu coração. Para Ti seja o que sou e o que tenho; tudo coloco em Tuas mãos, pois tudo é Teu, tudo de Ti recebi. Só Tu, Meu Deus, podes realizar o meu anseio mais profundo, a alegria da Salvação. Só isso de Ti espero, em Ti ponho a minha confiança. Amem.


LEITURA I – Gen 18, 1-10ª


Naqueles dias, o Senhor apareceu a Abraão junto do carvalho de Mambré.
Abraão estava sentado à entrada da sua tenda, no maior calor do dia.
Ergueu os olhos e viu três homens de pé diante dele.
Logo que os viu, deixou a entrada da tenda e correu ao seu encontro; prostrou-se por terra e disse:
«Meu Senhor, se agradei aos vossos olhos, não passeis adiante sem parar em casa do vosso servo. Mandarei vir água, para que possais lavar os pés e descansar debaixo desta árvore. Vou buscar um bocado de pão, para restaurardes as forças antes de continuardes o vosso caminho, pois não foi em vão que passastes diante da casa do vosso servo».
Eles responderam: «Faz como disseste».
Abraão apressou-se a ir à tenda onde estava Sara e disse-lhe:
«Toma depressa três medidas de flor da farinha, amassa-a e coze uns pães no borralho».
Abraão correu ao rebanho e escolheu um vitelo tenro e bom e entregou-o a um servo que se apressou a prepará-lo. Trouxe manteiga e leite e o vitelo já pronto e colocou-o diante deles; e, enquanto comiam, ficou de pé junto deles debaixo da árvore.
Depois eles disseram-lhe: «Onde está Sara, tua esposa?».
Abraão respondeu: «Está ali na tenda». E um deles disse: «Passarei novamente pela tua casa daqui a um ano e então Sara tua esposa terá um filho».

ConegoArmandoDuarte

Cónego Armando Duarte