Confraternidade de Santa Filomena

Recado do Diretor Espiritual

banner homepage_icon

2020-08-23

XXI Domingo do Tempo Comum – Ano A


Leitura da Epístola de São Paulo aos Romanos (Rom 11, 33-36)


Ideia principal: Deus, de forma misteriosa – e, às vezes, desconcertante - realiza o seu projeto salvífico. Ao homem basta colocar-se confiadamente nas mãos de Deus salvador e libertador, louvá-lO e adorá-lO.
- Nos últimos 3 domingos acompanhámos a reflexão de Paulo sobre a questão do acesso de Israel à salvação. O Povo eleito, chamado por Deus a ser o Seu Povo, será sempre objeto especial da misericórdia de Deus: o chamamento é irrevogável! A 2ª Leitura deste domingo é a conclusão da reflexão de Paulo: um belíssimo hino de louvor, de reconhecimento e de adoração, que exalta o desígnio salvador de Deus.
- A infidelidade dos judeus teve um aspeto positivo: moveram feroz perseguição aos cristãos, inicialmente acantonados em Jerusalém, e estes viram-se obrigados “a sair”, levando a boa nova aos pagãos das terras para onde foram. Assim Deus leva a cabo o seu plano salvífico: chama Israel para Seu povo, mas, aproveitando a infidelidade deste, chama os gentios à fé; e, por fim, de uns e de outros fará um só Povo!
- Paulo reconhece que os desígnios de Deus são misteriosos e ultrapassam infinitamente a nossa capacidade de compreensão e de entendimento, não só na história dos povos, mas também na vida de cada pessoa. Há, porém, uma certeza que é dada pela fé: Tudo aquilo que acontece é guiado pelo amor do Pai, o Senhor da História! Os seus insondáveis desígnios sobre de cada acontecimento, têm sempre um sentido.


Rezar a Palavra e contemplar o Mistério


Ó Deus transcendente e misterioso! Todas as coisas de Ti procedem, ó Deus Criador; todas as coisas por Ti subsistem, ó Deus Providente; meus olhos Te contemplam e Tu me atrais, como meu último fim! Está cheio do Teu amor primeiro o meu pobre coração, que por Ti anseia… que o louvor que Te é devido preencha todos os dias da minha vida. Glória a Deus para sempre! Amem!


LEITURA II – Rom 11, 33-36


Como é profunda a riqueza, a sabedoria e a ciência de Deus!
Como são insondáveis os seus desígnios
e incompreensíveis os seus caminhos!
Quem conheceu o pensamento do Senhor?
Quem foi o seu conselheiro?
Quem Lhe deu primeiro,
para que tenha de receber retribuição?
D’Ele, por Ele e para Ele são todas as coisas.
Glória a Deus para sempre. Amem.


images/separador-horiz.png

ADOTE UM AGONIZANTE


Como? Basta recitar o Terço da Divina Misericórdia por uma pessoa concreta, em estado terminal, que não teve oportunidade de se abeirar dos Sacramentos em tempo útil.
Esta iniciativa, já muito divulgada em Itália, tem origem na leitura das promessas de Jesus a Santa Faustina Kowalska, que escreve no seu diário:


"Quando entrei na capela, Jesus disse-me: «Minha filha, ajuda-Me a salvar um pecador agonizante. Reza por ele o terço (ou a coroa) que te ensinei».
Ao começar a rezar o terço, vi um moribundo entre terríveis tormentos e lutas. Defendia-o o Anjo da Guarda que, contudo, era impotente face à enorme miséria daquela alma, que uma multidão de demónios aguardava.
Mas enquanto eu recitava o terço, vi Jesus tal como está representado na imagem. Os raios que saíram do Coração de Jesus envolveram o doente e os poderes das trevas fugiram em pânico. O doente morreu em paz.
Quando voltei a mim, compreendi a importância que tem o Terço da Divina Misericórdia rezado junto dos agonizantes: ele atrai a misericórdia de Deus."


Saiba como rezar o Terço da Divina Misericódia.

ConegoArmandoDuarte

Cónego Armando Duarte