Confraternidade de Santa Filomena

Recado do Diretor Espiritual

banner homepage_icon

2020-08-16

XX Domingo do Tempo Comum – Ano A


Leitura da Epístola de São Paulo aos Romanos
(Rom 11, 13-15.29-32)


Ideia principal: Deus respeita sempre as opções dos homens; mas não desiste de propor a todos os seus filhos, oportunidades novas de acolher a salvação.
- No domingo passado, Paulo desabafou connosco um assunto que muito o entristecia: a rejeição da salvação que Cristo nos alcançou, por parte de Israel, o Povo de eleito de Deus, o Povo da Promessa. Que lhe acontecerá, então? Ficará excluído da salvação? Paulo estaria convencido de que a única saída possível seria Deus rejeitar o Povo que rejeitou a salvação? Era essa a causa da tristeza de Paulo?
- De modo nenhum… Paulo considera que a questão não está encerrada. Mais: a desobediência dos judeus acabou mesmo por facilitar a entrada dos pagãos na comunidade do reino. Se os judeus, na sua maioria, tivessem aderido às propostas de Jesus e aceitado a salvação, nunca permitiriam – exclusivistas e preconceituosos como são – a entrada dos pagãos. “Deus escreve direito por linhas tortas”...
- S. Paulo espera que a sua missão junto aos pagãos, a fim de os levar a Cristo, provoque ciúmes nos judeus… São tantos os frutos do Evangelho entre os gentios, que os judeus também deles hão de querer participar e, então, também Israel reconhecerá Jesus como o Messias anunciado pelos profetas. Esse dia será uma verdadeira ressurreição, um regresso de muitos mortos – o povo judeu - à fé e à vida em Cristo.


Rezar a Palavra e contemplar o Mistério


Ó Deus dos caminhos que não são os nossos e dos pensamentos insondáveis! Vence em mim esta pretensão de querer entender e enquadrar o Teu agir numa lógica humana. Tu “escreves direito por linhas tortas”, do mal és sempre capaz de fazer acontecer o melhor bem, aquilo que parece pouco razoável faz parte do Teu projeto salvífico. Que eu aprenda a confiar em Ti, que és o Senhor da História. Amem!


LEITURA II – Rom 11, 13-15.29-32


Irmãos:
É a vós, os gentios, que eu falo:
Enquanto eu for Apóstolo dos gentios,
procurarei prestigiar o meu ministério
a ver se provoco o ciúme dos homens da minha raça
e salvo alguns deles.
Porque, se da sua rejeição resultou a reconciliação do mundo,
o que será a sua reintegração
senão uma ressurreição de entre os mortos?
Porque os dons e o chamamento de Deus são irrevogáveis.
Vós fostes outrora desobedientes a Deus
e agora alcançastes misericórdia,
devido à desobediência dos judeus.
Assim também eles desobedeceram agora,
devido à misericórdia que alcançastes,
para que, por sua vez,
também eles alcancem agora misericórdia.
Efetivamente, Deus encerrou a todos na desobediência,
para usar de misericórdia para com todos.


images/separador-horiz.png

ADOTE UM AGONIZANTE


Como? Basta recitar o Terço da Divina Misericórdia por uma pessoa concreta, em estado terminal, que não teve oportunidade de se abeirar dos Sacramentos em tempo útil.
Esta iniciativa, já muito divulgada em Itália, tem origem na leitura das promessas de Jesus a Santa Faustina Kowalska, que escreve no seu diário:


"Quando entrei na capela, Jesus disse-me: «Minha filha, ajuda-Me a salvar um pecador agonizante. Reza por ele o terço (ou a coroa) que te ensinei».
Ao começar a rezar o terço, vi um moribundo entre terríveis tormentos e lutas. Defendia-o o Anjo da Guarda que, contudo, era impotente face à enorme miséria daquela alma, que uma multidão de demónios aguardava.
Mas enquanto eu recitava o terço, vi Jesus tal como está representado na imagem. Os raios que saíram do Coração de Jesus envolveram o doente e os poderes das trevas fugiram em pânico. O doente morreu em paz.
Quando voltei a mim, compreendi a importância que tem o Terço da Divina Misericórdia rezado junto dos agonizantes: ele atrai a misericórdia de Deus."


Saiba como rezar o Terço da Divina Misericódia.

ConegoArmandoDuarte

Cónego Armando Duarte