Confraternidade de Santa Filomena

Recado do Diretor Espiritual

banner homepage_icon

2020-07-05

XIV Domingo do Tempo Comum – Ano A


Leitura da Epístola de São Paulo aos Romanos (Rom 8,9.11-13)


Ideia principal: Comprometidos com Jesus desde o dia do Batismo, os cristãos vivem “segundo o Espírito” e não “segundo a carne”, não vivem para si, antes se deixam conduzir pelo Espírito Santo.
- Na perspetiva de Paulo, a salvação é dom de Deus ao alcance de todos, que nos chega por Jesus, pela Sua entrega, morte e ressurreição, e atua em nós pelo Espírito Santo, que faz de nós filhos de Deus. Estes temas paulinos, centrais na teologia do Apóstolo, cruzam-se neste capítulo VIII de onde é extraída a Leitura deste domingo. A vida no Espírito aparece como o elemento fundamental que dá unidade a toda esta reflexão.
- Quando Paulo refere a “carne”, não o faz para designar a parte material do ser humano (como em Platão); nem, como acontece muitas vezes tanto no A.T. como no N.T., para referir a fragilidade e a precaridade da natureza humana; mas para dizer o homem ferido pelo pecado original, dominado por apetites e paixões desornadas. A vida nova “por meio do Espírito” de Cristo é radicalmente inconciliável com a “vida sob o domínio da carne”. Aliás, Paulo adverte: “se viverdes de acordo com a carne, haveis de morrer”.
- Jesus, sendo homem, tinha que morrer. Mas, porque tinha em Si a plenitude do Espírito, Ele O fez viver a vida de Deus, que não morre. Ora, se nós recebemos o mesmo Espírito, quando chegar a hora da nossa morte biológica, o Espírito que ressuscitou Jesus, nos ressuscitará. Se Jesus vive em nós, não morreremos!


Rezar a Palavra e contemplar o Mistério


Senhor da Vida, eu Te louvo e bendigo porque hoje a Palavra me alerta para algo essencial: a vida “segundo a carne” gera morte; e a vida “segundo o Espírito” gera vida. Senhor, concede-me a graça de poder eu ter uma vida de discípulo, sempre aberto à ação renovadora e libertadora do Espírito que recebi no dia do meu batismo. Que eu gaste a vida ao jeito de Jesus, para ser santo e alcançar a vida plena. Amem.


LEITURA II – Rom 8, 9.11-13


Irmãos:
Vós não estais sob o domínio da carne, mas do Espírito,
se é que o Espírito de Deus habita em vós.
Mas se alguém não tem o Espírito de Cristo, não Lhe pertence.
Se o Espírito d’Aquele que ressuscitou Jesus de entre os mortos
habita em vós,
Ele, que ressuscitou Cristo Jesus de entre os mortos,
também dará vida aos vossos corpos mortais,
pelo seu Espírito que habita em vós.
Assim, irmãos, não somos devedores à carne,
para vivermos segundo a carne.
Se viverdes segundo a carne, morrereis;
mas, se pelo Espírito fizerdes morrer as obras da carne,
vivereis.


images/separador-horiz.png

ADOTE UM AGONIZANTE


Como? Basta recitar o Terço da Divina Misericórdia por uma pessoa concreta, em estado terminal, que não teve oportunidade de se abeirar dos Sacramentos em tempo útil.
Esta iniciativa, já muito divulgada em Itália, tem origem na leitura das promessas de Jesus a Santa Faustina Kowalska, que escreve no seu diário:


"Quando entrei na capela, Jesus disse-me: «Minha filha, ajuda-Me a salvar um pecador agonizante. Reza por ele o terço (ou a coroa) que te ensinei».
Ao começar a rezar o terço, vi um moribundo entre terríveis tormentos e lutas. Defendia-o o Anjo da Guarda que, contudo, era impotente face à enorme miséria daquela alma, que uma multidão de demónios aguardava.
Mas enquanto eu recitava o terço, vi Jesus tal como está representado na imagem. Os raios que saíram do Coração de Jesus envolveram o doente e os poderes das trevas fugiram em pânico. O doente morreu em paz.
Quando voltei a mim, compreendi a importância que tem o Terço da Divina Misericórdia rezado junto dos agonizantes: ele atrai a misericórdia de Deus."


Saiba como rezar o Terço da Divina Misericódia.

ConegoArmandoDuarte

Cónego Armando Duarte