Confraternidade de Santa Filomena

Recado do Diretor Espiritual

banner homepage_icon

2020-05-31

Solenidade do Pentecostes – Ano A


Leitura da Primeira Epístola de São Paulo aos Coríntios
(1 Cor 12,3b-7.12-13)


Ideia principal: É o Espírito Santo que concede os dons que enriquecem a comunidade cristã e que fomenta a unidade de todos os membros; por isso, os dons de cada um devem ser postos ao serviço de todos.

- O contexto é o de uma certa confusão acerca dos carismas. Por isso, Paulo oferece um critério de discernimento: o verdadeiro “carisma”, não engana, leva a confessar a verdade sobre Jesus: “Jesus é Senhor”. O acto de fé não o podemos fazer apoiados apenas nas nossas próprias forças, é fruto do Espírito que, pelos seus dons, sobretudo os do entendimento e o da sabedoria, aperfeiçoa essa mesma fé.

- De onde surgem as divisões nas nossas comunidades? Ora, das invejas, dos ciúmes… Os cristãos de Corinto não eram nem melhores, nem piores: Estavam divididos por causa dos carismas que o Espírito Santo tinha concedido a uns e não tinha concedido a outros. Paulo lembra-lhes que os carismas não são concedidos para proveito próprio, mas para o bem comum, para favorecer a unidade.

- Para sublinhar esta ideia da unidade e do serviço recíproco, Paulo utiliza a comparação do corpo. Assim como o corpo é composto por muitos membros, devendo cada um desempenhar a sua função para o bem de todo o organismo, assim deve ser na igreja: cada um deve exercer a sua função consoante o dom que recebeu do Espírito, sem rivalidades: “um só corpo”, dependente de Cristo e com a mesma vida de Cristo.


Rezar a Palavra e contemplar o Mistério


Ó Divino Espírito Santo, que alimentas e dás vida ao “corpo de Cristo”! Um corpo de muitos membros; todos batizados num só Espírito, todos bebem de um único Espírito, por isso, entre todos circula a mesma Vida. Ó Espírito Santo, que fomentas a coesão, dinamizas a fraternidade, és garante da unidade… Que os dons que de Ti tenho recebido, os saiba pôr, humildemente, ao serviço dos irmãos. Amem.


LEITURA II – 1 Cor 12,3b-7.12-13


Irmãos:
Ninguém pode dizer «Jesus é o Senhor»
a não ser pela acção do Espírito Santo.
De facto, há diversidade de dons espirituais,
mas o Senhor é o mesmo.
Há diversas operações,
mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos.
Em cada um se manifestam os dons do Espírito
para o bem comum.
Assim como o corpo é um só e tem muitos membros
e todos os membros, apesar de numerosos,
constituem um só corpo,
assim também sucede com Cristo.
Na verdade, todos nós
– judeus e gregos, escravos e homens livres –
fomos baptizados num só Espírito,
para constituirmos um só Corpo.
E a todos nos foi dado a beber um único Espírito.


images/separador-horiz.png

ADOTE UM AGONIZANTE


Como? Basta recitar o Terço da Divina Misericórdia por uma pessoa concreta, em estado terminal, que não teve oportunidade de se abeirar dos Sacramentos em tempo útil.
Esta iniciativa, já muito divulgada em Itália, tem origem na leitura das promessas de Jesus a Santa Faustina Kowalska, que escreve no seu diário:


"Quando entrei na capela, Jesus disse-me: «Minha filha, ajuda-Me a salvar um pecador agonizante. Reza por ele o terço (ou a coroa) que te ensinei».
Ao começar a rezar o terço, vi um moribundo entre terríveis tormentos e lutas. Defendia-o o Anjo da Guarda que, contudo, era impotente face à enorme miséria daquela alma, que uma multidão de demónios aguardava.
Mas enquanto eu recitava o terço, vi Jesus tal como está representado na imagem. Os raios que saíram do Coração de Jesus envolveram o doente e os poderes das trevas fugiram em pânico. O doente morreu em paz.
Quando voltei a mim, compreendi a importância que tem o Terço da Divina Misericórdia rezado junto dos agonizantes: ele atrai a misericórdia de Deus."


Saiba como rezar o Terço da Divina Misericódia.

ConegoArmandoDuarte

Cónego Armando Duarte