Confraternidade de Santa Filomena

Recado do Diretor Espiritual

banner homepage_icon

2020-06-07

Solenidade da Santíssima Trindade – Ano A


Leitura da Segunda Epístola de São Paulo aos Coríntios
(2 Cor 13, 11-13)


Ideia principal: Neste domingo, a Igreja é convidada a contemplar o Deus que é comunhão, que é família e que quer atrair os homens para essa dinâmica de amor.
- A 2ª carta aos Coríntios foi escrita na Macedónia, no ano 56/57, onde Paulo recebeu a visita de Tito, que lhe traz boas notícias de Corinto. O texto lido, é a conclusão da Carta. Uma recomendação, as saudações, e a despedida é feita através de uma fórmula trinitária – que usamos como saudação inicial da missa – em que as três Pessoas divinas – que não são três indivíduos - estão em pé de igualdade. São… três “eu”!
- Uma comunidade onde os irmãos são acolhidos, ajuda na sua santificação. Por isso Paulo recomenda: animem-se uns aos outros, cultivem os mesmos sentimentos, vivam em paz e em comunhão com Deus, que é Amor. Uma comunidade onde estas recomendações são observadas, torna-se, no meio do mundo, imagem viva da vida trinitária. O “ósculo santo” é sinal do amor que une o Pai, o Filho e o Espírito Santo.
- O mais notável desta carta é, contudo, a fórmula final de saudação, certamente de origem litúrgica. Constitui uma impressionante confissão de fé no Deus trino, nesse Deus que é amor, “família”, comunidade. Ao utilizarem esta fórmula, os cristãos reconhecem-se como membros da “família de Deus”, da qual fazem parte também os outros irmãos. Formam todos, portanto, uma única família, chamados a viver em unidade.


Rezar a Palavra e contemplar o Mistério


Deus Pai, Filho e Espírito Santo! Ó Santíssima Trindade, Deus Amor, Deus Único que é comunhão Pessoas, eu Te adoro! Inabitais em mim, Trindade Santa, desde o meu batismo, mas hoje vislumbro como nunca o fim desta peregrinação: contemplar-Te, ó Deus, nesse dinamismo de Amor entre o Pai, o Filho e o Espírito; pertencer eternamente à família trinitária… “Eia, pois, alma formosíssima entre todas as criaturas”! Amem.


LEITURA II – 2 Cor 13, 11-13


Irmãos:
Sede alegres, trabalhai pela vossa perfeição,
animai-vos uns aos outros,
tende os mesmos sentimentos,
vivei em paz.
E o Deus do amor e da paz estará convosco.
Saudai-vos uns aos outros com o ósculo santo.
Todos os santos vos saúdam.
A graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus
e a comunhão do Espírito Santo
estejam convosco.


images/separador-horiz.png

ADOTE UM AGONIZANTE


Como? Basta recitar o Terço da Divina Misericórdia por uma pessoa concreta, em estado terminal, que não teve oportunidade de se abeirar dos Sacramentos em tempo útil.
Esta iniciativa, já muito divulgada em Itália, tem origem na leitura das promessas de Jesus a Santa Faustina Kowalska, que escreve no seu diário:


"Quando entrei na capela, Jesus disse-me: «Minha filha, ajuda-Me a salvar um pecador agonizante. Reza por ele o terço (ou a coroa) que te ensinei».
Ao começar a rezar o terço, vi um moribundo entre terríveis tormentos e lutas. Defendia-o o Anjo da Guarda que, contudo, era impotente face à enorme miséria daquela alma, que uma multidão de demónios aguardava.
Mas enquanto eu recitava o terço, vi Jesus tal como está representado na imagem. Os raios que saíram do Coração de Jesus envolveram o doente e os poderes das trevas fugiram em pânico. O doente morreu em paz.
Quando voltei a mim, compreendi a importância que tem o Terço da Divina Misericórdia rezado junto dos agonizantes: ele atrai a misericórdia de Deus."


Saiba como rezar o Terço da Divina Misericódia.

ConegoArmandoDuarte

Cónego Armando Duarte