sfep-header-lx201508.png

Santa Filomena, Virgem e Mártir foi mais uma vez homenageada em todo o mundo, nas comemorações do dia 10 de agosto de 2015, aniversário da transladação dos seus restos mortais de Roma para Mugnano, onde repousam no Santuário com o seu nome.
Clicando AQUI poderemos aceder às informações acerca do programa mundial destas festas e confirmar a universalidade e a dimensão que elas atingiram.

Basílica dos Mártires em Lisboa

Portugal não deixou de se associar a estes festejos e, graças à organização conjunta da Delegação Portuguesa da Arquiconfraria Universal de Santa Filomena e da Paróquia dos Mátires, também prestou o seu tributo à jovem santa.

Em Lisboa as comemorações iniciaram-se com uma novena nos dias que antecederam a data festiva e culminaram com uma missa solenizada celebrada 2ª feira dia 10 pelas 18H30 na Basílica dos Mártires, celebrações presididas pelo pároco Cónego Armando Duarte.

Tal como nas outras festividades em honra de Santa Filomena, de novo a Basílica se encheu com os devotos que pretendiam homenagear a sua Santa predileta.

A imagem de Santa Filomena estava exposta em lugar de honra, merecendo especial atenção o ambiente que a rodeava magnificamente decorado com a dedicação de algumas paroquianas.

E mais belo ficava com as flores depositadas pelos devotos que iam chegando, bem como as velas que iam continuamente acendendo, aumentando ainda mais o brilho no interior da basílica.

Imagem de Santa Filomena na Basílica dos Mártires

No início da missa foi lida, pela Coordenadora da Arquiconfraria Universal de Santa Filomena em Portugal, Filomena Garcia, a mensagem enviada por Monsenhor Giovanni Braschi, Reitor do Santuário de Santa Filomena em Mugnano del Cardinale em Itália, dirigida especialmente à Família Filomeniana Portuguesa.

Outro momento alto foi a preleção do Cónego Armando Duarte que, com a sua reconhecida eloquência, dissertou sobre Santa Filomena, a sua vida, o seu exemplo, os seus milages, terminando com um convite aos devotos para que a sua presença nesta Igreja não se limite a esta festividade anual, antes se estenda também a 10 de janeiro e 25 de maio, quando, respetivamente, se festeja o seu aniversário e se comemora a descoberta dos seus restos mortais nas catacumbas de Priscila em Roma.

A componente musical desta missa esteve a cargo dos cantores David Ruela e Arlindo Andrade, acompanhados pelo organista António, que magificamente interpretaram os diversos cânticos religiosos, de entre os quais o belo e sempre emocionante Hino de Santa Filomena.

Após a missa, e como habitualmente, os devotos aglomeraram-se junto da imagem da nossa santa milagreira, decerto para agradecer mais uma vez as graças recebidas e solicitar que ela nos continue a proteger e agraciar com as suas benesses.

E assim partimos emocionados felizes por termos participado em mais esta festa tão gratificante e com o desejo de voltar em breve.


Rogai por nós, Santa Filomena,
para que sejamos dignos das promessas de Cristo.